Este espaço conjuga duas paixões: o rugby e o coleccionismo. Pretende dar a conhecer (aos poucos) a minha colecção filatélica já bastante avançada sobre o tema "rugby" e, simultaneamente, aproveitar esse pretexto para, aqui e além, opinar, divulgar e testemunhar sobre "coisas" deste desporto fantástico. Claro está que um dos objectivos é conquistar adeptos para este tipo de coleccionismo, fazendo com que se juntem a este MAUL DINÂMICO!

sábado, 30 de abril de 2011

Um sábado em Montpellier

Estava um excelente sábado de sol quando acordámos após uma viagem de 850km do Luxemburgo para Montpellier, a capital do Héraut francês.

A semana de férias na região começava com a presença no Estádio Yves du Manoir para assistir ao jogo Montpellier – Bayonne a contar para a antepenúltima jornada da fase regular do Top14.

Depois de uma visita pelo centro da cidade lá seguimos para o estádio. Erro de cálculo e já estávamos atrasados para o encontro previsto com o Gonçalo Uva antes do jogo. Fui “largado” no meio da estrada e lá seguiu a minha mulher com os miúdos à procura de um lugar para estacionar o carro.

Depois de me ter desculpado junto do Gonçalo e de "o ter deixado partir" para os seus afazeres profissionais, chegou o resto da família e seguimos para os nossos lugares (excelentes, diga-se de passagem). O estádio estava quase cheio e o ambiente era magnífico. Magnífico foi também o início do jogo por parte da equipa da casa, marcando um ensaio logo de entrada. Estava dado o mote para um jogo disputado e emotivo, muito interessante de seguir. O único senão: o Gonçalo Uva, lesionado, não jogava nesse dia.

O jogo foi avançando sem que nenhuma das equipas conseguisse tomar uma vantagem alargada sobre a outra. Já perto do final os visitantes conseguem um ensaio e passam para a frente por 22-17; o Montpellier tenta tudo para vencer o jogo mas não o consegue apesar de estar no limite da linha de ensaio durante largos minutos.

Grande satisfação por parte dos visitantes e grande decepção dos da casa, que deram um passo atrás na luta pela qualificação para a fase final do Top14. Permitam-me um aparte em relação à arbitragem: muito fraca, longe do nível das duas equipas, com muitos erros e sem nunca querer assumir a responsabilidade pelas decisões (chamadas constantes do vídeo-árbitro). Atrevo-me até a dizer que teve directa responsabilidade no desfecho final do jogo. Só para lembrar àqueles que tanto criticam a arbitragem nacional que: 1) arbitrar é muito difícil; 2) num país como a França, as arbitragens também podem ser más (o Chabal acabou de ser suspenso por dizer exactamente isto).

Depois do jogo, rumamos à “Bodega” para beber um copo. Ali ficámos algum tempo (umas duas horas) a ver a quantidade de gente que por lá fica no final do jogo, a beber uma cerveja e a conversar. Um ambiente espectacular que foi completado pelo reaparecimento do Gonçalo com quem tive o privilégio de poder falar um bom bocado.

Ou seja, aposta ganha. Valeu bem a pena esta ida a Montpellier. Em baixo deixo-vos algumas fotos do jogo.

Não queria terminar sem agradecer a simpatia e disponibilidade do Gonçalo Uva, um óptimo anfitrião. Obrigado por tudo (ele sabe do que estou a falar). E desejar-lhe muito sucesso na sua carreira e esperar que esse sucesso passe pela ida do Montpellier à fase final do campeonato. Lá em casa tenho dois que, de vez em quando, começam a gritar: “Montpellier, Montpellier”.

PS – No próximo sábado, o Montpellier recebe o Toulon (de Wilkinson e Contempomi) no último e decisivo jogo da fase regular. Boa sorte para os azuis.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

quarta-feira, 27 de abril de 2011

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Portugal termina em 5°


Depois de uma derrota inicial contra a Itália por 14-3 que nos relegou para a luta do 5° ao 8° lugar, Portugal esteve muitíssimo bem e venceu os restantes dois jogos, assegurando a manutenção na Divisão 1, algo que não era evidente antes da competição se iniciar.

A manutenção ficou desde logo assegurada pela vitória por 8-7 na terça-feira contra a Rússia, o que retirou a pressão de um último jogo decisivo.

Assim, no sábado a equipa lusa defrontou a venceu a Bélgica por 10-5 no jogo que confirmou o bom momento da equipa nacional e carimbou um excelente 5° lugar final na competição.


De notar também a boa prestação da equipa luxemburguesa (claramente de um nível superior em relação à equipa sénior) que terminou a Divisão 3 num excelente 3° lugar depois de ter vencido a Dinamarca por 51-0, ter sido derrotada pela Hungria por 17-27 e ter vencido a Letónia por 12-7.

A Divisão de Elite foi vencida pela Irlanda que derrotou na final a Inglaterra por 17-8; a Divisão 1 pela Escócia (vencedora da Itália por 17-12); a Divisão 2 foi vencida pela Espanha que derrotou na final a Suécia por 47-7; e a Divisão 3 pela Sérvia (vencedora da Hungria por 13-7). A Divisão 4 já anteriormente disputada foi vencida pela Croácia (correcção providencial da Mão de Mestre).


Infelizmente, não pudemos marcar presença em nenhum dos jogos da equipa nacional, ao contrário do que tínhamos previsto.


Aqui ficam os nossos parabéns a toda a comitiva nacional pela excelente prestação.

Torneio Internacional das Indústrias Socialistas - Tblissi 1977

sábado, 23 de abril de 2011

quinta-feira, 21 de abril de 2011

terça-feira, 19 de abril de 2011

domingo, 17 de abril de 2011

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Sérgio Franco premiado com bolsa da FISU


O academista foi distinguido com uma bolsa de estudo no valor de cerca de 3.500€, atribuida pela federação internacional de desporto universitário, a FISU.

A atribuíção da bolsa deu-se na sequência da candidatura apresentada pela Federação Académica do Desporto Universitário (FADU) e é atribuída apenas a um atleta por continente por ano.

Para além do seu percurso desportivo, com presenças no Circuito IRB de Sevens, o título mundial de Sevens Universitário e distinções como a de “atleta masculino do ano” em 2010 para a FADU, o seu percurso académico terá sido um factor de peso na decisão da FISU.

Ao atleta e ao seu clube apresentamos as nossas felicitações.